Prevenção Contra Incêndios

O extintor de incêndio é um equipamento de proteção das edificações o mesmo devem ser instalados em locais aonde houver a menor possibilidade do fogo bloqueá-los.

A utilização do extintor exige alguns conhecimentos necessários para evitar acidentes e obter o melhor aproveitamento do equipamento. Vamos a alguns: Após fazer a inspeção visual de todos os extintores e certificar-se de que estão desobstruídos, sinalizados e com a validade em dia, o segundo passo é fazer o correto reconhecimento dos extintores: eles são classificados de acordo com a classe de fogo que apagam, conforme a NBR-12693 Sistemas de Proteção de Extintores de Incêndio:

Fogo classe A

- Fogo envolvendo materiais combustíveis sólidos, tais como madeira, tecidos, papéis, borracha, plásticos termoestáveis e outras fibras orgânicas, que queimam em superfície e profundidade, deixando resíduos.

Fogo classe B

- Fogo envolvendo líquidos e/ou gases inflamáveis ou combustíveis, plásticos e graxa que se liquefazem por ação do calor e queimam somente em superfície.

Fogo classe C

- Fogo envolvendo equipamentos e instalações elétricas energizadas.

Fogo classe D

- Fogo em metais combustíveis, tais como magnésio, titânio, zircônio, sódio, potássio e lítio.Cada extintor traz impresso em seu cilindro e em sua identificação na parede a classe de fogo a qual se destina. Procure reconhecer essas classes e os tipos de extintor. Ainda segundo a NBR 12693, vale conhecer o conceito de extintor: “Aparelho de acionamento manual, constituído de recipiente e acessórios contendo o agente extintor destinado a combater princípios de incêndio”.

Em caso de incêndio, deve ser tomado o seguinte cuidado: utilizar o extintor certo para cada tipo de fogo e saber que o extintor serve para apagar apenas o princípio do fogo. Depois do fogo já estabelecido, o usuário deve abandonar o prédio e chamar o Corpo de Bombeiros.

 

 

O sistema de hidrantes e essencial. Para proteção manual contra incêndio nas edificações, residenciais, comerciais, e industriais. O sistema e composto por abrigos metálicos, registros, mangueiras e outros materiais, distribuídos ao longo de uma rede hidráulica utilizando como agente extintor a água pressurizada com jato sólido ou neblina.

Os pontos de hidrantes são instalados a partir da prumada geral de incêndio exclusiva para este fim. Para alimentar e pressurizar o sistema de hidrante será utilizado um conjunto de moto bombas totalmente automatizadas e interligadas em uma reserva de água.

O ponto de hidrante e composto de registro, mangueiras, abrigos, mangueiras, chave e esguicho (regulável ou sólido). O sistema de hidrantes e constituído também por rede de tubulações fixas aonde são distribuídos os pontos de hidrantes.

A tubulação será conectada de forma permanente a um reservatório de água, de maneira a possibilitar no caso de incêndio a aplicação de água diretamente no foco do incêndio. O sistema de hidrantes e projetado e instalado atendendo integralmente as normas da ABNT e instruções técnicas do corpo de bombeiros.

 

 

O sistema de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos do tipo "Sprinkler" é constituído de tubulações fixas, onde são dispostos chuveiros regularmente distribuídos sobre a área a proteger e permanentemente ligado a um sistema de alimentação de água (reservatório) e pressurizado, de forma a possibilitar, em caso de ocorrência de incêndio, a aplicação de água diretamente sobre o local sinistrado.

Isto ocorre quando o selo sensor de temperatura (ampola) rompe-se,aproximadamente a uma temperatura de 68oC (existem ampolas próprias para. Cada chuveiro (bico) tem o seu funcionamento independente, podendo ser acionado um ou quantos forem necessários para sanar o problema (incêndio) em uma determinada área.

 

 

 

 

Os sistemas de detecção e alarme de incêndio são compostos de alguns elementos básicos.

-Central de alarme e detecção
-Acionadores manuais
-Sirenes
-Detectores de temperatura, calor, fumaça.

A central de alarme e responsável por coletar a informação de estados dos acionadores, detectores e demais aparelhos, em caso de verificar uma situação de alarme, ativa os sinalizadores.

Alem do alarme a central também verifica falhas nas instalações. Como curto-circuito, cabeamento rompimento entre outros.

As centraia de alarme são classificadas entre endereçável e convencional.

As centrais endereçadas permitem identificar cada elemento individualmente e desta forma, o local exato de um eventual alarme. Os dispositivos de campo comunicam-se com a central através de um protocolo de comunicação o qual, além da informação de alarme ou falha, pode ainda indicar outros parâmetros como grau de contaminação (detector sujo) ou ainda receber comandos como o ajuste do nível de sensibilidade.